Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2012

ÍNTEGRA - SENTENÇA CONDENANDO UNIVERSIDADE POR NÃO ENTREGAR TABLET

Vejam uma sentença proferida em uma ação movida por uma estudante contra a Universidade Estácio de Sá que não cumpriu o anúncio de sua propaganda, recusando-se a dar um tablet e apostilas impressas a uma estudante que se interessou pelos serviços da Universidade.

Além da obrigação de cumprir a oferta, a Universidade terá que indenizar a aluna por danos morais arbitrado em R$3.000,00. Íntegra abaixo:

JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DE MARICÁ ¿ RJ Processo: 0006586-38.2012.8.19.0087 Autor: Milena Parreiras Roiffe de Toledo Réu: UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ PROJETO DE SENTENÇA Dispensado relatório nos termos do art. 38 da Lei n° 9.099/95. Passo a decidir. Rejeito a preliminar de litispendência com o processo n° 0006583-83.2012.8.19.0031, eis que não restou comprovada a semelhança da causa de pedir e dos pedidos entre as demandas. Ultrapassada a questão preliminare, passo à análise do mérito. A relação jurídica entre as partes é de consumo, já que estão presentes os requisitos subjetivos (con…

Justiça proíbe cobrança de taxa da construtora

Cobrar taxa pelos serviços de assessoria na venda do imóvel é ilegal e pode acabar em multa. A decisão é da Justiça do ABC, que julgou ação do Ministério Público de SP contra as construtoras MBigucci e Estratégia Empreendimentos Imobiliários, que cobravam as taxas --que chegavam a 0,88% do valor do imóvel-- em contrato. Na decisão provisória, o juiz da 9ª Vara Cível de São Bernardo do Campo, Rodrigo Gorga Campos, diz que a cobrança está proibida, sob pena de pagamento de multa de R$ 10.000 por novo contrato que tiver a cobrança. As construtoras ainda podem recorrer na Justiça.  Na ação, o Ministério Público do Estado pediu que os clientes que tiveram a cobrança estipulada em contrato recebam em dobro o valor pago. Outro pedido é para que as duas empresas paguem uma multa coletiva de R$ 500 mil, que deve ser destinada ao Fundo Estadual de Defesa dos Interesses Difusos. Fonte: Jornal Agora São Paulo -14/07/2012 (http://www.agora.uol.com.br/grana/ult10105u1120138.shtml)
Comentários do Dr.…

Cobranças abusivas em financiamento de veículos

Imagem
Nos contratos de financiamento de veículos (CDC, Cédula de Crédito Bancário, Financiamento, Leasing ou Arrendamento Mercantil), há diversas taxas cobradas pelos bancos que são indevidas, e o consumidor não sabe e acaba pagando por isso.
A título exemplificativo, em contratos de financiamento de veículos populares, muitas vezes os consumidores têm direito de receber algo em torno de R$6.000,00, ou até mais.
Dentre as taxas indevidas, podemos citar a TAC (Taxa ou Tarifa de Abertura de Crédito), o CET (Custo Efetivo Total), Comissão de Permanência, Notificação Extrajudicial, taxas de análise de crédito, taxa de cadastro, tarifas de cessão e transferências de obrigações, etc.
Vale lembrar que a cobrança de TAC ou de CET faz com que os juros cobrados sejam maiores que os contratados.
Os nossos Tribunais já consolidaram o entendimento que tais cobranças são abusivas, logo, mesmo que o consumidor tenha tido ciência dessas cobranças, têm o direito de pleitear a devolução em dobro dessas quantias,…

DIREITO IMOBILIÁRIO

Diante dos incontáveis problemas envolvendo posse e propriedade de bens imóveis, cada vez mais é necessário se que busque um advogado atuante na área de direito imobiliário, para que sejam evitados problemas futuros ou a fim de resolver os problemas existentes.
Assim, verifica-se a necessidade de se buscar uma ajuda especializada para analisar, revisar ou confeccionar contratos de compra e venda, locação, etc.
Ademais, também é necessário a contratação de advogado para ajuizar ações envolvendo locação (despejo, ação revisional, ação renovatória) e demais ações visando a proteção da posse e da propriedade.
Atualmente, verifica-se que inúmeros problemas com imóveis também são decorrentes de imóveis adquiridos de leilões e feirões, problemas com imóveis novos adquiridos de construtoras e imóveis usados.
Já publiquei diversos artigos sobre o assunto neste blog.
Para maiores informações, acessem: http://www.viniciusmarch.adv.br/imobiliario_11.html .

ATRASO NA ENTREGA DE IMÓVEL

Quem já comprou um imóvel deve conhecer a cláusula de tolerância que permite às construtoras atrasar em até 180 dias (ou seis meses), sem pagar multa, as obras de unidades vendidas na planta. 

A prática, que gera problemas para muitos consumidores, voltou a ser questionada na semana retrasada, quando o Ministério Público do Estado de São Paulo classificou a cláusula como ilegal. 

O órgão não homologou o TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) que assinou com o Secovi-SP (sindicato da habitação) em setembro de 2011. O acordo, formulado diante do aumento nos atrasos, continha regras para a entrega de empreendimentos. 

"Não se concede ao consumidor o mesmo direito, de poder atrasar o pagamento de suas prestações, sem quaisquer custos adicionais", justificou o Ministério Público. 

O Secovi afirma que vai orientar seus associados a seguir o TAC. Na prática, se as construtoras adotarem a recomendação, o prazo de tolerância de 180 dias continuará nos contratos. 



Veja a seguir algumas orie…

DANO MORAL PRESUMIDO (STJ)

Há diversas situações em que a jurisprudência admite a ocorrência de danos morais passíveis de indenização independentemente de prova da extensão do dano. São casos em que o próprio fato já gera o dever de indenizar, independentemente de qualquer consequência advinda desse fato.
O STJ definiu algumas situações que por si só caracterizam a ocorrência de danos morais indenizáveis (além de eventuais danos materiais decorrentes de pagamentos indevidos), vejamos quais são elas:
NOME NEGATIVADO EM CADASTRO DE INADIMPLENTES (NOME SUJO) - SCPC, SERASA, CADIN, PROTESTOS, ETC.
O nome de uma pessoa (física ou jurídica) inscrito indevidamente nos órgãos de proteção ao crédito caracterizam por si só o dever de indenizar, independentemente de qualquer prova a ofensa moral. Isto porque os cadastros negativos dificultam a concessão de crédito. O nome pode ficar sujo por no máximo 5 anos.
Caso o valor cobrado já tenha sido pago novamente, é possível pleitear a restituição em dobro dessas quantias.
Vale…