PROCON notifica bancos por tarifas indevidas


O governo notificou, nesta quinta-feira (13), seis grandes bancos brasileiros por indícios de não dar informações suficientes sobre as tarifas cobradas pelos serviços bancários. Foram questionados Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú e Santander.


O órgão pede informações sobre a quantidade, a composição e o preço dos pacotes disponíveis para contratação pelo consumidor pessoa física.
O departamento questiona, ainda, a forma como o pacote padronizado de serviços, criado por meio de uma resolução do Conselho Monetário Nacional, é oferecido ao consumidor. Esse pacote deve ser obrigatoriamente oferecido por todos os bancos.
Bradesco e HSBC informaram, por meio de nota, que vão prestar esclarecimentos no prazo determinado.
Também por meio de nota, o Santander afirma que "realiza suas atividades em conformidade com as regras legais vigentes e a regulamentação bancária expedida pelo Conselho Monetário Nacional, facultando ao cliente a escolha do produto ou serviço que seja de seu interesse, de forma transparente e com as  informações necessárias". O banco diz que prestará esclarecimentos ao DPDC.
O Itaú Unibanco afirma que "suas práticas encontram-se adequadas às normas vigentes. A instituição prestará todos os esclarecimentos necessários e valoriza oportunidades de interação com esses órgãos para evoluir em sua relação com os clientes".
Por meio de nota, o Banco do Brasil também diz que vai prestar todos os esclarecimentos solicitados pelo Ministério da Justiça. Diz, ainda, que "cumpre integralmente as normas do Banco Central relacionadas à oferta de produtos e serviços aos seus correntistas".
A Caixa Econômica Federal afirma que "tem como política esclarecer aos clientes, com transparência, as condições de seus produtos e serviços". O banco informou, ainda, que prestará as informações necessárias aos  órgãos de controle do governo em relação aos serviços bancários.
Fonte: UOL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Notre Dame é condenada em R$150 mil por erro médico que causou morte

ADVOGADO DIVÓRCIO EM SP

FUI DEMITIDO POR CAUSA DO CORONAVÍRUS, E AGORA?