Cobrança de Comissão de Corretagem Minha Casa Minha Vida

O ministro Paulo de Tarso Sanseverino, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), determinou a suspensão de todos os processos que discutem a validade da transferência ao consumidor da obrigação de pagar comissão de corretagem nas promessas de compra e venda firmadas no programa de habitação “Minha Casa Minha Vida”.
        A suspensão alcança todas as instâncias judiciais no território nacional e valerá até que a Segunda Seção do STJ julgue dois recursos especiais afetados (Resp nº 1.601.149 e 1.602.042). Os processos foram cadastrados como tema 960 no sistema de repetitivos.
        Na decisão de afetação do Resp nº 1.601.149, o ministro esclareceu que o STJ já examinou discussão semelhante ao julgar o tema 938, quando a Segunda Seção analisou a validade das cláusulas contratuais que transferem ao promitente comprador a obrigação de pagar corretagem. A afetação do tema 938 levou ao sobrestamento de 13.423 processos no País – destes, 11.340 são originários do Tribunal de Justiça de São Paulo, o que revela a dimensão social da questão. “Apesar do julgamento do tema 938, a controvérsia relativa às promessas de compra e venda celebradas no âmbito do programa Minha Casa Minha Vida apresenta particularidades que merecem ser analisadas em uma afetação específica”, apontou o ministro.

Vale lembrar que o STJ já decidiu que a cobrança da SATI (ou serviço de assessoria imobiliária) em qualquer caso é abusiva. Em relação à comissão de Corretagem, é necessário que um advogado analise o contrato para avaliar se há ou não direito à restituição, lembrando que o prazo para pleitear restituição de SATI e Comissão de Corretagem é de 3 anos.


Rua Nilza, 18, 1º andar, sala 7, São Paulo/SP
(11) 2589-5162 / www.viniciusmarch.adv.br 
DIREITO DO CONSUMIDOR - ATUAÇÃO EM TODO O BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Notre Dame é condenada em R$150 mil por erro médico que causou morte

ADVOGADO DIVÓRCIO EM SP

FUI DEMITIDO POR CAUSA DO CORONAVÍRUS, E AGORA?